Estava muito fácil para o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), promover o Plano Nacional de Desestatização na capital, pois a maioria dos vereadores se mostrou favorável a concessão à inciativa privada de parques, praças, sistema de bilhetagem do transporte público, o Autódromo de Interlagos, o Complexo do Anhembi e o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – o Pacaembu.

No entanto, um grupo de cerca de 60 estudantes se mostrou contrário a essa medidas e decidiu ocupar a Câmara Municipal de São Paulo na última quarta-feira, 9 – até o fechamento dessa edição, os estudantes ainda se encontravam no plenário da Casa. Além de serem desfavoráveis às privatizações, eles também não apoiam as mudanças nas regras do Passe Livre Estudantil.

Reivindicações

Os manifestantes querem que os líderes dos partidos incluam na pauta das próximas Sessões Plenárias os Projetos de Decreto Legislativo prevendo a criação de um plebiscito para as desestatizações e a realização de audiências públicas sobre o plano de governo, uma em cada prefeitura regional.

As alterações no Passe Livre Estudantil – que reduziu as horas de uso do benefício – também foi motivo de descontentamento dos estudantes. Desde o dia 1º de agosto, o estudante pode fazer quatro viagens durante duas horas e, somente em outro período, mais quatro viagens de mesma duração.

Leia também

Deixe uma resposta